Uma nota sobre amortização de dívidas: juros compostos e anatocismo