Sangue, suor e selfies: peritos criminais compartilham rotina no Instagram

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on pinterest
Pinterest

Sangue, suor e selfies: peritos criminais compartilham rotina no Instagram

Publicado originalmente

 

Por Marie Declercq

A perita criminal Renata Botelho Brasil divide curiosidades sobre a profissão nas redes sociais - Reprodução

 

A perita criminal Renata Botelho Brasil divide curiosidades sobre a profissão nas redes sociaisImagem: Reprodução

 

A hashtag #peritosinfluencers está longe de ser tão popular quanto as hashtags de maquiagem ou de blogueiras fitness, mas não deixa de ser especial. Munidos com distintivos, colete à prova de balas e cheios de frases de efeito, peritos brasileiros registram seu dia a dia nas redes e atraem curiosos, fãs e seguidores que sonham um dia se debruçar sobre cadáveres, armas do crime e provas materiais para descobrir a verdade. Se existe até influenciador de planta, por que não pode existir um influenciador de cena de crime?

Apesar das exigências técnicas da profissão e da carga bem pesada de trabalho, ela é uma das mais procuradas dentre as carreiras policiais pelo alto salário e por conta do sucesso de seriados dos EUA como a franquia “CSI” e “Dexter” — ambos quase caricatos na abordagem, mas muito usados para ilustrar situações vividas pelos profissionais quando lidam com análise de digitais, ferimentos em cadáveres e checagem se ocorreu ou não um homicídio em um local.

Entre fotos na praia, publicações com críticas à esquerda e selfies em campo, o perfil no Instagram de Diego Lameirão é um dos mais populares no micro universo dos peritos criminais influencers. Trabalhando como perito desde 2014 no ICCE (Instituto de Criminalística Carlos Éboli) do Rio de Janeiro, o carioca quis expressar o amor à profissão e divulgar dicas sobre como passar em concursos públicos. Com mais de 100 mil seguidores, Lameirão se considera um dos primeiros a divulgar cursos e informações sobre o tema nas redes sociais.

“Quis humanizar a profissão, mostrar que a instituição, a polícia, é feita por seres humanos”, explicou Lameirão ao TAB. Em fotos ao lado de sua cachorra, Lee, Lameirão diz que recebe muitas cantadas e às vezes fotos suas aparecem em páginas de policiais gatos, mas dispensa o rótulo de muso. “Oficialmente não passei por nenhum concurso disso, não (risos).”

Renata Botelho Brasil, perita criminal em Santa Catarina, posa para seu Instagram - Reprodução - Reprodução
 
Renata Botelho Brasil, perita criminal em Santa Catarina, posa para seu Instagram

Imagem: Reprodução

Nas publicações em que Lameirão está marcado, é fácil de encontrar o perfil de Renata Botelho Brasil, especialista em segurança pública e perita há quase dez anos no Instituto Geral de Perícias de Santa Catarina. Botelho Brasil possui quase 5 mil seguidores e chama atenção por fazer publicações educativas sobre manchas de sangue — tema central de cursos que ela ministra pelo país para outros peritos.

“Meu intuito foi desmistificar a perícia real da fantasia transmitida nas séries de televisão, além de mostrar à sociedade a importância do trabalho pericial, que é imparcial e visa mostrar a verdade dos fatos por meio dos exames dos vestígios”, contou Botelho.

Fora dicas de como mandar bem em concursos públicos, muitos peritos passaram também a criar cursos que simulam cenas de crime. Rodrigo Wenceslau, perito criminal na cidade de Costa Rica (MS), administra com outros peritos a página Perícia Criminal Brasil e dá cursos de cena do crime para entusiastas. “Os cursos são dados para aspirantes. 99% dos seguidores são aspirantes e, destes, 80% são mulheres”, conta Wenceslau, que trabalha na área desde 2009. “Ainda não descobri o motivo, mas elas são as maiores interessadas em se tornarem peritas”.

Apesar de atrair muitos interessados por conta da remuneração e a emoção de poder juntar peças de um quebra-cabeça, fazer parte da perícia brasileira está longe de ser fácil. Através das redes, peritos influencers falam sobre a falta de investimentos em equipamento e material de ponta para ajudar na elucidação de crimes. “O Rio de Janeiro tem um volume muito grande de casos e a questão de estarmos em local de periculosidade. Falta material, falta treinamento. Deveria ter mais investimento na polícia técnica. A polícia científica não é autônoma, ela faz parte da Polícia Civil, então acaba não tendo muita prioridade dentro da própria instituição”, explica Lameirão.

A falta de investimento, somada ao grande volume de casos para se investigar, está longe de parecer um episódio de “CSI”. “Ser funcionário público é trabalhar com falta de materiais e ausência de incentivos. Por mais que as pessoas pensem no salário e na estabilidade, a estrutura oferecida pelo Estado está muito abaixo do esperado”, conta Wenceslau.”Perícia é uma coisa complicada. É uma área fascinante, mas sem estrutura. Por exemplo, é preciso às vezes investir num equipamento caríssimo, mas os governadores preferem comprar armas e viaturas porque isso tem mais visibilidade que um equipamento só.”


Dadas as dificuldades, os peritos influencers acreditam que as redes sociais são ótima ferramenta para explicar como atua a Polícia Científica no Brasil e o que é preciso para fazer parte dela. Segundo Botelho, é preciso ser cuidadoso no que se compartilha com o público. “Há profissionais e profissionais, isso em qualquer área, então deve-se ter muito cuidado com o que se transmite direta e indiretamente nas redes sociais. Os malefícios, então, são o uso errôneo da rede no que se diz respeito a divulgação de técnicas de exames, além, é claro, da exposição pessoal do perito”, explica.

Seguindo a febre de páginas de peritos, já é fácil encontrar perfis oficiais das próprias instituições de criminalística de alguns estados. Os peritos influencers estão longe de acabar.

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on pinterest
Pinterest
Imagem padrão
periciabr
Artigos: 328
0
Seu carrinho está vazio!

Parece que você ainda não adicionou nenhum item ao carrinho.

Buscar Cursos